Pular para o conteúdo principal

Um casamento, mil lembranças: Luciene e Marcelo


(Luciene e Marcelo em seu casamento, Aldeia da Serra, SP, 2009)

O primeiro texto para nosso concurso "Um casamento, mil lembranças" é da querida Luciene Brito, minha amiga virtual há vários anos e real há pouco mais de um, também autora do Licha Doce

A Lu é uma moça encantadora. "Môça" com a boca cheia, igual fala a minha menina Marina. Acho que poucas pessoas que já conheci na vida são tão delicadas, agradáveis e cuidadosas com os outros como a Lu. 

Foi um prazer enorme ver o texto dela na minha caixa de email. Texto, aliás que me fez quase roer unhas e suspirar ao contar a história dos preparativos e das lembranças que tem do grande dia em que se uniu ao seu adorado companheiro de jornada.

Apreciem!!! E inspirem-se para enviar suas histórias!

Lu, obrigada!!!

...

("Enfim casados!", Luciene e Marcelo, Aldeia da Serra, SP, 2009)

"Era uma linda manhã de sábado, indecisa entre o sol tímido e o ar gelado. Ela senta na varanda e tenta aparentar calma e tranqüilidade.

Muitos preparativos, entra e sai na cozinha,  gente aglomerada na varanda, separa as flores, as fitas, as velas...era o ultimo passo de um ritual.

Um ritual de amor que para muitos poderia não fazer o menor sentido. Para que casar se já moravam juntos a tanto tempo?

O perfume das flores encanta, toca, dá vontade de chorar. Ou seria vontade de gritar, de cantar a enorme alegria que brota do peito naquele momento?

O  coração rufava tambores, o pensamento não conseguia acompanhar o vai e vem das perguntas: que horas vai se arrumar? Onde estão as taças, já separou os perfume? Quem vai levar as alianças? Não, ele ficava em um vai e vem, sentindo, apreciando aqueles momentos que, hoje sabe, são únicos. Um misto de fantasia e loucura, sonho prestes a realizar, concretização, uma felicidade difícil de descrever.

O vestido estava escondido no quarto, e mesmo não sendo supersticiosa, não deixou que ‘o noivo’ chegasse nem perto. Aliás, somente uma das madrinhas viu o vestido com antecedência. Caprichos da noiva...

Aos poucos, as pequenas coisas iam se ajeitando, se ajustando. O buquê chegou. Era de um rosa intenso, rosa como seu sonho, seu desejo. Seu lado menina que ainda comandava a mulher que estava a caminho.

Sapatos de boneca, vestido tomara que caia. Ah o frio? Ela não sentia.

Meu Deus, está chegando a hora. Recomendavam-lhe descanso, deram-lhe um chá de camomila, para aquelas horas de ‘estresse do bem’. Deitou-se e fez um esforço tremendo para cochilar. Mas acompanhava o burburinho na cozinha e correu pra lá. Pra quê dormir? A emoção era grande demais para conseguir esta façanha no meio da tarde do dia do seu casamento.

Já havia confessado pela manhã com o padre. Já havia checado todos os itens da roupa dos padrinhos, a sua própria roupa, da roupa do noivo.
E o noivo? Ah, este estava nem aí para nada. Poucas horas antes do casamento e não tinha sequer cortado o cabelo. Ela a invejava naquele momento, e sentia raiva dele por estar assim tão tranqüilo. Como pode, perguntava-se.

Fez uma alimentação leve, tomou um banho e foi para o salão para seu momento ‘noiva’.  Pouco tempo depois chegaria seu amigo e fotógrafo, responsável por registrar os momentos mais importantes desta data.
Neste dia, receber e sentir o carinho das pessoas foi algo que fez a diferença, sensação e sentimentos que ficaram impressos na alma.

Enquanto a equipe do salão se esmeravam em deixá-la toda linda, tranqüila, entretida no que estava sendo feito naquele momento, ela adiantava o futuro, imaginando a entrada na igreja. Como seria? Já esteve em muitos casamentos, mas ser a protagonista de um é muito diferente.

O momento chegou...dois grandes amigos a levaram até a porta da igreja. Lá dentro já estavam padrinhos, pais, amigos...poucos, mas essenciais.

Noiva ansiosa atrasa só 10 minutos. E quando vão avisar que a noiva já chegou, tocam a marcha nupcial por engano...A noiva quase enfarta, já que estava a alguns metros da entrada. Fecham a porta novamente e aí sim, é chegada a grande hora.

E entra a noiva tremula, com receio de estar dando passos ora curtos demais, ora largos demais...Alivio chegar até o altar. Delicia perceber a presença de tanta gente querida que estava lá para compartilhar da  felicidade dos noivos. A dama veio calmamente, quase angelical, trazer as alianças.

O noivo estava muito elegante, e perdera aquele ar despreocupado do fim da tarde. Ele que nunca havia vestido um terno e detestava ser o centro das atenções, estava bastante tenso.

Foi uma cerimônia simples, linda, e o padre estava particularmente inspirado aquele dia, suas palavras emocionou a todos.
Na saída da igreja, um nevoeiro comum nos dias de muito frio tomava conta da paisagem...e logo foi substituído por uma chuva torrencial.

Chuva em dia de casamento é sinal de prosperidade, de bons frutos. E era essa sementinha de vida, de história, de amor para a vida inteira que acabara de ser regada."


Comentários

Lúcia Soares disse…
Que lindo relato. A Lu estava inspiradíssima, claro. Também, descrever, relembrar o dia do casamento tem que ser um momento bom. Único, a cada lembrança. Parabéns para a Luciene, a doce lichia, e que esse casamento tenha sido mesmo escrito no céu.
Amei: "Chuva em dia de casamento é sinal de prosperidade, de bons frutos. E era essa sementinha de vida, de história, de amor para a vida inteira que acabara de ser regada."
Feliz casamento, para sempre, Lu. Beijo!
Beijo, Sônia!

chica disse…
Lindo!Adorei e deu pra sentir a emoção sentida pela linda noiva! Muito legal te ler! beijos,chica
Beth/Lilás disse…
Oh que história mais bonita desse amor entre Lu e Marcelo!
Torço muito por estes dois para que sejam felizes até a eternidade, pois um amor assim não se acaba, perpetua-se pela eternidade.
Por isso que eu digo, casar é tudibom, e não adianta algumas moçoilas por aí, descoladas, dizerem da boca pra fora que não querem casar, que não pensam nisso, que isso que aquilo. Toda mulher adora este dia, sonha com seu casamento e se não sonhar agora, daqui a alguns anos, quando já estiverem morando juntinhos, Ela começa a querer fazer festa e oficializar na igreja. Reparem como o que eu digo é verdade. Vejo até mesmo por aqui pela blogosfera, gente oficializando união de anos e anos.
Casar é bom , vale a pena, não tenham medo!
beijos cariocas


Somnia Carvalho disse…
Pessoal, a Lu está tentando enviar comentários e não estão entrando.

ela escreveu:

Oi Somnia,

Ah, muito obrigada. Eu agradeço a oportunidade, estou imensamente feliz em participar deste concurso, já que nos dois anteriores eu saí pela tangente, rsrs.

Um beijão!
Somnia Carvalho disse…
Lu respondeu:

Olá Beth,

Obrigada!
É exatamente assim como você falou...a gente também morou junto um tempo, antes de oficializar a união. Casar é bom, tem as dificuldades, mas aquelas que enfrentamos, seja casado, seja solteiro.
Também recomendo!

* Sonia, será que dessa vez entra meus comentários?Bjos
Somnia Carvalho disse…
Outro da Lu:

Olhaaa, hoje eu consegui postar. Ontem foram inúmeras tentativas.

Então, mais uma vez gostaria de agradecer a Sonia pela oportunidade e dizer que gostei muito de participar. Foi um prazer escrever sobre um dia inesquecível para mim - e bem recente né.
Lucia, obrigada pelos votos.
Chica, um mega beijo.
Lu Souza Brito
Somnia Carvalho disse…
Eu adorei ter a historia da querida Lu publicada aqui!!! e comecar por esta e muito bom porque nos outros concursos a Lu nunca conseguiu participar!!! entrou em grande estilo!
obrigada de novo1
She disse…
Ahhhhhhhh! Que lindo e essas fotos então?! Amei tudo!
Beijo, beijo!
She
Anônimo disse…
Lu, que postagem gostosa de se ler.Foi muito bonito e saiu tudo conforme vocês idealizaram, não é? Deus abençoe vocês. Que sejam sempre felizes.
Manoel
Roselia Bezerra disse…
Olá, queridas
Que o amor do casal seja doce e eterno!!!
Ótimo fim de semana!!!
Sejam abençoadas e felizes!!!
Bjm de paz e bem

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que