Pular para o conteúdo principal

Quer saber o que você fez com a Dora?

("As costureiras", Edouard Vuillard)

Gente bonita,

Estava devendo este post, mas agora creio que consegui receber os depósitos de todas as pessoas que me pediram para esperar porque queriam ainda contribuir com o "A Dora, a Joana, um sonho em comum e você". Joana, no caso, é a Marinalva.

Depois do post em que eu dei o "resultado final" (R$2.663,09) da campanha ainda recebemos R$330,00 a mais o que ajudou a somar uma quantia total arrecadada de

R$2.993,09

Com este dinheiro vocês já pagaram uma máquina industrial para a Marinalva, agora mais ainda conhecida na escola toda, porque não pára de contar sua mais nova realização e convidar as pessoas a lhe darem ajustes e costuras a fazer. A Mari está ganhando algum dinheiro com a máquina já, está buscando outras formas de obter costuras de uma empresa para trabalhar em horas extras em casa e está muito, muito feliz. Ela me diz isso todas as vezes que nos encontramos.

A Dora me trouxe alguns planos que começou a fazer depois de nossa conversa reveladora da campanha. Ela pesquisou sobre cursos, sobre aquilo que havia me falado e chegou a uma conclusão muito clara: ela não sabe absolutamente nada de internet. Nunca aprendeu. Não tem computador, não sabe ler emails, não tem acesso a nada desse mundo virtual ao qual temos acesso diariamente.

A Dora voltou com vários sonhos, entre eles fazer um curso de computação básico e aí começar a se gabaritar para usar programas que lhe permitam fazer de forma mais eficaz as costuras de capas de sofá que faz.

Ela quer poder trocar ideia com suas clientes pela internet e não perder tantas horas em ônibus que vão de sua casa à casa delas apenas para tirar medidas ou dúvidas.

A Dora foi clara em me dizer que está sentindo um poder de voltar ao que sempre sonhou realizar: viver de sua costura!

O curso da Dora vai custar algo em torno de 200 reais por 3 meses, então como eu adorei a ideia dela poder usar a internet e programas de decoração de computador para fazer seu trabalho eu pensei em darmos a ela um laptop, um computador portátil. O dinheiro dado por vocês é suficiente.

Para isso eu pensei em pedir acessoria para meu marido que entende do assunto de qual deles seria mais funcional para a Dora.

Conversei com minhas amigas da campanha e elas gostaram da ideia. A Dora disse que não precisamos dar nada porque já demos esperança a ela. Ela pareceu aceitar a ideia de pagarmos o curso, mas quando sugeri o computador ela insistiu que não é preciso. Bom, isso está fora de cogitação! rs... Expliquei a ela que vocês doaram algo para ajudar a realizar o sonho dela, então, ela não está pedindo, vocês deram e pronto!

As poucas vezes que a Dora usou um computador foi emprestando de alguém, mas ela disse não conseguir entender como se usa e agora pensa em aprender. Ela está muito animada!

Gente boa, gente querida minha e que me apoiou nesta ideia, se alguém tiver algo contra essa decisão é só dizer. Vocês todos podem sugerir algo também, já que estou mudando a ideia divulgada que era o de proporcionar à Dora um curso de desenho.

Segundo ela, o curso de desenho era um sonho sim, mas não será tão eficaz quanto o de computação. Ela precisa primeiro de um curso de computação. Poderá até fazer cursos grátis na web. Ela disse que consegue pagar a assinatura básica de internet na casa dela e pessoas vocês não vão acreditar que brilho no olho ela tinha dessa segunda vez.

Segura, alegre, firme no propósito de voltar a viver do que ama fazer.

Então, estão vendo o que vocês fizeram com a Dora?

Vocês deram a ela motivos para viver a vida de uma forma leve, poderosa, feliz e ativa.

E por isso minha gente eu tenho que lhes dar parabéns e obrigada!

Ah! Também quero aplaudir essas últimas pessoas:

Daniela Mendonça
Elisabeth Rocha Pagani
Fabiana Pegoraro
Lúcia Soares
Tatiane Vacaro

Ótimo fim de semana pra todo mundo!!!



Comentários

Daniela disse…
Sonildes, acho que o mais importante é saber que ajudamos a realizar o sonho de duas mulheres batalhadoras que querem passar a viver daquilo que gostam. Se isso vai acontecer através do pagamento de um curso ou de um computador, para mim é o de menos. O importante é que a Dora e a Marinalva estejam dando novos e mais satisfatórios rumos às suas vidas. E é muito verdade que ser letrada em internet vai potencializar as oportunidades de aprendizado pra ela. Acho super válido.

Beijos
Lúcia Soares disse…
Sônia, concordo com a Daniela. Enquanto lia seu post, ia pensando se ela tem como pagar a internet, senão daria em nada a vontade dela. Mas já que ela tem essa condição, acho que o laptop é mesmo uma boa.
Veja bem, como podemos fazer a felicidade do outro, com apenas uma pequena ajuda? Sei que teve gente que doou um bom dinheiro, mas acredito que quem o fez não sentiu peso em fazê-lo. Doei pouquinho, mas se precisar, pode pedir mais.
Desejo que suas meninas tenham uma vida feliz com seus presentes. O mais importante é a gente querer. E Deus ouvir e mandar anjos para nos ajudar, como você fez com elas.
Beijo!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que