Pular para o conteúdo principal

"Uma música, mil lembranças": "Até mais ver!", por Daniela Barbagli


("Até mais ver", Trio Virgulino)

Gente, minha gente querida, nosso adorável concursinho"Uma música, mil lembranças", chegou ao fim!

Recebi ainda ontem o último texto participante, mas como dei aulas o dia todo só hoje pude lê-lo e publicá-lo.

Queria aproveitar para agradecer sinceramente todas vocês que participaram, se empolgaram e se deixaram levar por suas lembranças mais genuínas! Foram momentos deliciosos esses de viver com vocês as suas memórias! Demais mesmo!

Amanhã publico um quadro com os nomes dos participantes e seus respectivos textos e dou início à votação. Também publicarei a tela a qual as moçoilas participantes estarão concorrendo. Fiz especialmente pro concurso e espero que gostem!

Bom, mas o melhor é que ainda temos um último texto e última música!

Eu já conheço a Dani há um bom tempo (ela é amiga e colega de trabalho da Dri e do Ricardo) e vocês recentemente. É dela aquelas mãos que seguravam o neném na super foto que coloquei no texto de Dia das Mães. Entretanto, esqueçam aquela imagem sublime e pensem na mãe da bebê se chacoalhando ao som de um forró.

É isso! A lembrança da Dani e seu texto super gostoso e alto astral trouxe o "Trio Virgulino" também de volta ao meu passado. Unicamp, época de graduação, moradia estudantil e forró do bom com Renatão toda sexta-feira. Delícia! Ai que saudade Dani!

Li o texto e fiquei aqui dançando também! Comecei a limpar, cozinhar etc ao som do Virgulino! Eita coisa boa poder passar a noite dançando hem?

Dani, obrigadíssima pela sua participação! O Borboleta se sente lisongeado com sua presença dançante por aqui!

E vamo que vamo no 1, 2, 1, 2... rs...

...

"Até mais ver"

"Tem gente que vai trás de uma onda perfeita e gente que quer provar uma comida especial… eu coloquei a mochila nas costas pra dançar o melhor forró do mundo!

Provavelmente alguns dos meus amores eternos daquela estação fizeram esta música tão importante, mas ele ficou de escanteio, perdido na memória. O que vem à tona são infinitos xotes bem dançados – ou nem tanto, a ansiedade da espera por uma dança, os primeiros passos com um novo par e o frio na barriga do “será que é ele?” porque tínhamos vários encontros com as almas gêmeas das danças e, mesmo assim, isso não desvalorizava cada nova descoberta – e muito menos queria dizer que os desdobramentos estavam encaminhados!

A busca pelo encaixe perfeito me fazia aceitar todos os convites da noite (ou da tarde, do pôr-do-sol, da madrugada…). Eu escrevo “me”, mas poderia deixar registrado como “nos”. Havia no salão uma sinergia difícil de explicar. Era algo transcendente que ditava o ritmo dos passos numa sintonia sem igual. A felicidade estava no ar. Num desses momentos mágicos, quando o sol estava quase a raiar, a música parou. O silêncio da caixa de som não interferiu no ritmo do salão. Com o céu clareando, continuamos dançando ao som de nossos próprios passos: dois pra lá, dois pra cá; dois pra lá, dois pra cá… a areia trazida das dunas fazia um chiado difícil de resistir.

A viagem valeu a pena: encontrei a dança que eu tanto procurava."


Comentários

Lu Souza Brito disse…
Somnia,

Eu sou uma xeretinha que nao manda nem foto nem musica, mas vem aqui te aporrinhar:

Não é uma MÚSICA, mil lembranças?

Ou será que o Concurso da Foto já esta quase de volta, hein?Hein? Hein? ahahhahahaha.

Um beijo
Nem vou me desculpar por nao participar, ainda nao consegui colocar minha vida muito em ordem e perdi a chance de lhe contar sobre tantas lembranças...em fotos e musicas. Mas talves seja melor assim, pois ainda pode render alguns posts.
Saudade de você!
Lu Souza Brito disse…
Talves = talvez.
Melor = melhor.
Bjooos
Somnia Carvalho disse…
oi lu!

nossa! a correria faz o que com a gente nao?
e a falta de uma tireoide? hihihi

olha ja arrumei e obrigadissima pelo toque!

agora voce nao participar non excuse! rs...

voce a lucinha que so fala! viu lucinha! rsss
Beth/Lilás disse…
Legal, a Dani também escreve bem demais! E eu não conhecia este trio porreta.
beijos cariocas
Nina disse…
Iiihh Dani, que delicia!!! delicia de texto, de musica e de danca, que eu adoooooooooooro, forrozinho é bom demais e eu aqui, na Alemanha, tenho a feliz chance de ir de vez em quando ao forro, organizado por uns brasileiros, a casa enche e a galera, fca feliz demais.Tem que ver. Eu amo forró mas tem que esse tipo de forro bacaninha que vc colocou aqui hoje. Lindo!
obrigada por isso :-)

Bjs Dani
Daniela disse…
Obrigada, meninas, o objetivo era esse: passar o clima bom de um forrozinho... Daniela

Postagens mais visitadas deste blog

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel