Pular para o conteúdo principal

"Uma música, mil lembranças": "Os verdes anos da minha infância", por Irene Cechetti


("Os verdes campos da minha terra", Agnaldo Timóteo)

Nosso concurso ("Uma música, mil lembranças") está quase chegando ao fim, mas ainda há tempo para que você envie sua história e sua música. Eu mesma penso todos os dias em uma nova música cheia de mil lembranças sobre a qual eu escreveria para concorrer, mas acho que não tem graça eu concorrer num concurso meu para tentar ganhar uma tela minha. Tem? A sensação é que eu poderia falar sobre minha vida toda a partir de músicas. Sinto minha vida como uma imensa trilha sonora.

Vocês não sentem o mesmo? Estão com medo de participar? Não sintam! Inspirem-se no exemplo de mulheres como Irene!

A Irene (cujo sobrenome e os diversos posts onde foi tema já devem sugerir alguma coisa) me disse que, apesar de não ser nem um pouco fã de Agnaldo Timóteo, esta música e as lembranças que dela advém, não saíram da cabeça dela, enquanto pensava um texto para o concurso.

Só para que conste: eu adoro! É brega! É hor-rível! Ele é uma personalidade terrível, mas eu adoro, porque exatamente me faz lembrar tannnnto minha infância... eu, meus irmãos e meus pais indo de Variante bege, Brasília verde abacate para a colônia de férias do Sindicato dos Metalúrgicos, em Caraguatatuba e Ubachuva, uma vez por ano e ouvindo Agnaldo o caminho inteiro...

O título da música já meio que diz tudo. A Irene, quem eu conheço há uns... quinze anos (uau!) e de quem como a comida e sobremesas muito boas quase todo fim de semana, já esteve aqui "Em busca do tempo perdido". A Irene é assim, cheia das lembranças. Respira lembranças! E entre estas, ela tem lembranças de sua terra, de uma época vivida com intensidade e a qual, ela sabe, a moldou a ser o que é hoje...

Inspirem-se em Irene deixem as recordações virem à tona, mesmo se não são as que você mais desejaria ter! Reconhecer o que se sente é também caminhar para o novo! Recordar é bom não para ser apenas saudosista e viver do passado, mas para às vezes conseguir fechar um ciclo. Reconhecer que o passado tem seu lugar, mas o passado nunca mais será presente. Eu acho que faz um bem danado! É sim gente! Não como lamento, mas como reconhecimento de que a memória está presente em nós em cada suspiro, em cada gesto, em cada célula do nosso corpo! A memória somos nós!

Ótima sexta para vocês! Obrigada Irene!


Os verdes anos da minha infância

"Uma casa simples e humilde na beira da estrada de terra batida, terra vermelha, muito pó. Animais passeando de lá pra cá. Meninos e meninas de pés avermelhados correndo livremente. O sol quente, um convite para brincadeiras, para o andar no cafezal verdinho e florido, subir nas goiabeiras, laranjeiras, mangueiras, pessegueiros, mamoeiros e saborear ali mesmo seus frutos. Brincadeiras de pega-pega, esconde-esconde, rodas, escorregar na montanha de palha de arroz, correr pelos campos de bicicleta ou a cavalo. Nadar nos pequenos açudes. A noite, rodinhas de crianças para ouvir histórias de assombração inventadas e contadas pelos mais velhos. Depois ir dormir morrendo de medo do escuro.


O horário da escola era um só para todos e acordar muito cedo fazia parte da vida da criançada.


Neste cenário passei minha infância.


No lugarejo não tinha o ginásio. Depois de muita choradeira, meu pai deixou que eu continuasse os estudos na cidade, onde eu ficava de segunda à sexta e voltava para casa nos finais de semana.


Apesar de tanta coisa bonita, foi uma época muito difícil para mim.


Nos sábados e domingos a escola se transformava em um salão de baile. As carteiras eram encostadas e a música tocada por instrumentos musicais como a sanfona, violão e pandeiro que animavam os pares dançantes.


Foi num desses bailes que conheci meu primeiro namorado. Uma paixão, um amor puro e verdadeiro que meu pai, um italiano ciumento e brigão, de uma maneira violenta, dando um soco na cara do "meu príncipe encantado" colocou um ponto final no romance. Um romance que foi parar na justiça.


Sofri e chorei muito.


O tempo passou. Ele se casou. Eu me formei muito nova e como professora voltei às fazendas para dar aulas.


Numa charrete, puxada por cavalos, chegava-se numa pequena escola, muito bem cuidada pelos donos suiços, e que ficava bem no centro e um enorme campo verdejante que de manhã estava sempre molhado pelos orvalhos da noite.


No início dos anos 70 meu pai resolveu mudar-se para São Paulo. E assim eu deixava para trás tudo de mim.


Nessa época a música que fazia o maior sucesso era "Os verdes campos da minha terra", cantada por Agnaldo Timóteo.


Para mim era um verdadeiro passeio da imaginação.


Me casei com o Caetano, um conhecido já dos velhos tempos e a quem eu chamo de Pê. Foi ele quem veio preencher todo o espaço e vazio ficado em meu coração. Ele é e sempre será minha outra metade. Um fiel companheiro de todas as horas com quem tive meus dois filhos amados: Renato e Adriana. Dois netos: Ângelo e Marina. Uma preferida nora, Sônia.


Tenho uma irmã casada que até hoje mora no lugarejo.
Durante muitos anos seguidos lá eu estava de volta.
Mas tudo que ali vivi, deixou de ser real.
Eu mudei, tudo mudou! Foi um sonho!
É isso! Eu sonhei!"



Comentários

Sônia, a história de Irene é linda e comovente, pois mesmo não casando com o príncipe, casou-se com alguém que soube preencher todos seus vazios.
Essa proposta musical é ótima.
Xeros
Pê disse…
Sou muito feliz, em participar destas lembranças, e constituir a familia maravilhosa que tenho.
Dri Cechetti disse…
Mãe,

Lindo texto, lindas memórias e mais lindo ainda saber que sempre há lugar pros nossos sonhos. Porque se ele não acontecer como esperamos, vem logo o destino nos trazendo boas e felizes surpresas!

Parabéns por ter vivido tudo isso e ter criado uma família maravilhosa. Me sinto orgulhosa por ser fruto dela.

Com amor,

Dri
Beth/Lilás disse…
Coisa linda as recordações da Irene!
Esta música lembrou um tempo em que na casa de uma tia tocava sempre A.Timóteo e eu odiaaaaaaaava. só queria saber de Beatles. hehe
bjs cariocas
Nina disse…
Que bacana Irene, isso dá mesmo saudade né? Eu tbm sou fa, apaixonada, pela minha infância. Tbm tinha quase tudo isso aí que vc falou, inclusive as historias de assombracao, mas contadas por nós mesmos, iamos pra casa apavoradas, mas toda noite nos reuniamos novamente :-)
Mas menina,que pai bravo heim? rsrs

Um abraco Irene, tbm por Pê.
Timoteo tbm era mt ouvido la em casa, mamae ouvia tudo qt era brega :-)
Irene disse…
Oi Nina ,acredito que infância com esta vivência toda não exista mais.Viver e construir os valores morais,longe da interferência dos adultos.Eram brigas , brincadeiras tudo organizado por nós mesmo. Era puro construtivismo , hoje tão em moda! Meu pai aprontou muuiito !E hoje descansa ! O Pê leva a vida numa boa ! As músicas bregas no fundinho,escondidinho temos lá um gostinho !! Um abraço !
Irene disse…
Oi Nina ,acredito que infância com esta vivência toda não exista mais.Viver e construir os valores morais,longe da interferência dos adultos.Eram brigas , brincadeiras tudo organizado por nós mesmo. Era puro construtivismo , hoje tão em moda! Meu pai aprontou muuiito !E hoje descansa ! O Pê leva a vida numa boa ! As músicas bregas no fundinho,escondidinho temos lá um gostinho !! Um abraço !

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que