Pular para o conteúdo principal

Uma música, mil lembranças: "Eyes without a face", Billy Idol entre o meu eu mais brega e meu eu mais cult, se é que eu tenho um


"Eyes without a face", Billy Idol)

Atenção: Para seguir a idéia da série você deve ler este texto ouvindo a música acima

...

Alguns meses atrás, quando ainda finalizávamos o concurso "Uma foto, mil lembranças" eu estava num dia qualquer, num fim de tarde qualquer fazendo "uma janta" corrida para Ângelo e Marina. Os dois, na sala, estavam começando a aprender a brincar juntos. Cansada do dia difícil eu ouvia a risada gostosa deles, mas estava com tanta pressa porque sabia que mais dois minutos seriam suficientes para que eu tivesse companhia, então eu mexia uma, duas panelas pra lá. Uma duas panelas pra cá.

Rádio é algo que eu praticamente não ouço mais. Sou movida à música, mas seleciono diretamente minhas listas do meu Spotify. Naquele dia, ao contrário, um radinho de pilha estava ligado na minha cozinha e a conhecida rotina só foi quebrada quando comecei a ouvir "Eyes without a face", uma música pop muuuito tocada nos rádios dos anos 80, quando eu era uma pré-adolescente numa apagada cidade do interior.

Sem exageros eu posso afirmar que os 4:58 minutos de Billy Idol criaram em minha cozinha um portal do tempo. Eu deixei minhas crianças ali na sala que rolavam entre almofadas, a comida continuava a ferver no fogo e parte de mim continuava as mesmas ações aqui enquanto outra foi parar na década de 80, em Sumaré. Mais particularmente aportei num tal clube Recreativo, onde a menina pobre da vila passava as noites de domingo junto ao pessoal do centro da cidade, dançando, rodopiando, cabeça tombada pro lado, cabelos longos, soltos ao vento, o rosto iluminado por aquela famosa bola de discoteque. A saia amarela longa, cheia de babados e a barriga toda de fora. Um top do mesmo tecido fazia o conjunto e eu estava tão imensamente feliz de estar ali.

A roupa, confeccionada pela minha mãe, como quase todas de minha infância e nos primeiros anos da juventude havia sido "criada" por mim. Depois de desenhá-la e coordenar: "assim Dona Maria! desse jeito!", escolher o tecido e vê-la pronta eu me sentia dona do mundo, viajante planetária com aquele rodado todo. Foi inesquecível e me lembrei então de como eu amava aqueles momentos tão meus na discoteque do clube na minha cidade caipira.

O mundo ainda era pequeno para mim, mas de alguma forma eu já me sentia dona dele... E através das músicas que ouvia e dançava era como se o mundo me pertencesse...

A cena se desfez então rapidamente e fui transportada ao meu quarto na casa de meus pais. E me vi nas minhas muitas centenas de madrugadas limpando meu quarto, ouvindo Billy Idol sem entender a letra, sim porque agora eu entendia a letra inteirinha e como ela era horrível!  Me via ali organizando os pouquíssimos livros que tinha: a vida do Papa João Paulo II, a conversão de Maria Magdalena e meu dicionário de português. Sim! Pura verdade! Minha mãe não sabia ler e meu pai, por quem eu tinha enorme admiração intelectual por ter cursado até a terceira série, havia ganhado os dois primeiros numa excursão religiosa para Aparecida do Norte. O dicionário havia sido o primeiro, único e último livro com o qual meu pobre pai me presenteara.  E então me vi lá, orgulhosa dos meus livros e de minha recém conquista de ter um quarto só para mim, enquanto meus irmãos dormiam juntos no outro. Tudo colocado sobre a mesinha vermelha de madeira, feita pelas mãos fortes de meu pai e que me acompanhou por toda minha vida acadêmica até vir morar em São Paulo.

Foi ali, naquele quartinho de vila que eu sonhei com um mundo que eu não conhecia. Havia consertado um rádio antigo de meu pai e com ele ouvia músicas clássicas de uma rádio de Campinas. Ouvia também tudo que qualquer menina da minha época gostava e tinha nas paredes o "Thriller"de Michael Jackson e os Menudos, ambos parte do senso comum e do meu gosto infantil criado pela indústria cultural que eu um dia criticaria bastante num mestrado, mas que naquela época me ajudavam a criar ali naquele minúsculo quarto um canal com meus sonhos.

- Mamãe! Mamãe!

A voz de Ângelo me chamou rapidamente para dentro da cozinha e então me dei conta de estar ouvindo aquela música e de como minha vida havia caminhado por tantos caminhos incríveis desde aqueles anos todos.

Não tenho certeza como exatamente fui me dando conta de como até hoje, sobretudo pelo fato de termos nos mudado 9 vezes em 10 anos de casamento, meu companheiro sempre tenta me dissuadir a jogar algumas dezenas, da minha atual muitas centenas de livros, no lixo para diminuir volume e trabalho. Os livros e os cds. E mesmo sob muita pressão eu sempre respondi por último que "não!". São meus livros e meus cds! E eu os carrego pra lá e pra cá desde que Renato me conhece. Eu os empresto, eu dou alguns, mas a maior parte continua comigo. Eles são a prova do quem sou hoje e de quem fui ontem! Eles me ensinaram, me acompanharam em momentos solitários em bibliotecas, em repúblicas, em moradia solitária. Eu aprendi tanto nestes anos! Eu aprendi tanto e continuo aprendendo! Os livros e seus autores! Como eu sempre os amei!

Neste momento, claro! eu estava aos prantos na minha cozinha... Eu, brega que sou, eu, a sempre Soninha do interior, chorava porque estava tão grata por tudo! Eu nem sabia exatamente pelo quê, mas eu estava! Pelos meus pais e seu amor simples e cheio de entregas, pelos meus irmãos e sobrinhos queridos, pelos milhares de amigos que fiz em minhas andanças, por aqueles com os quais nunca mais cruzei e aqueles que continuam a iluminar meus dias, pelas viagens, os lugares maravilhosos que pude conhecer desde que saí um dia de casa para passar um fim de semana na casa de uma amiga, pelos meus estudos e por ter tido gente suficiente para ir aparecendo e me tomando pela mão mesmo que sem perceber. Estava ainda grata por ter encontrado uma alma tão gêmea e bondosa, apesar de sermos tão diferentes um do outro, e finalmente por ter com ele duas das criaturas mais lindas e doces que...

- MAMÃEEE! MAMÃEEE! a Marina está me beliscando!

- Tô indo! Calma aí Ângelo que a mamãe já está indo!

E assim percebi que as milhares de lembranças suscitadas por "Eyes without a face" deveriam inaugurar um novo concurso no blog assim que eu as escrevesse aqui.

E como hoje é meu aniversário e eu estou inspirada, acabo de publicá-lo na esperança de ganhar de presente a sua participação no nosso novo concurso: "uma música, mil lembranças".

Mais detalhes em breve! Até lá vai separando a música e revivendo sua história...

Comentários

Daniela disse…
Feliz Aniversário,minha querida. Que tudo seja lindo nesse dia, do jeito que você merece!
Lúcia Soares disse…
Feliz aniversário, Somnia Sônia.
Parabéns pela vida tão rica. Dinheiro nenhum vale uma vida feliz, com pais, irmãos, escola, professores, discotecas,amores, viagens, marido, filhos. Amores, muitos, pela vida afora, em cada livro, em cada música, em cada abraço, em cada partida, em cada chegada.
Beijos, adoro você e se há alguém, entre tantos, que merce ser feliz, esse alguém é você.
Beijo!
ingrid disse…
FELIZ ANIVERSARIO!!!!EU JA ATE SEI QUAL MUSICA EU VOU DIZER NESSE CONCURSO!!!!!
BEIJOS
Nina disse…
Tao diferentes e tao iguais!
Chorei. Lindo demais.
Tao iguais, meu Deus, tao iguais...

Feliz aniversário atrasado. Saúde, paz, amor. Que vc permaneca esse ser lindo que escreve encantando.
Dessa vez acho que topo participar do concurso :-)
Bjs
Nina disse…
Agora que vi a data, vc faz aniversario dia 18 de marco?

Minha irma mais velha tbm.
Que legal.
Que pena, a musica é linda mas apagaram o vídeo :)
Vou procurar diretamente no youtube.
Parabéns pelo bom gosto e pelo Blog, coisa doce! bjo!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que