Pular para o conteúdo principal

Cheios de personalidade

                   
(A sala de jantar mais alto astral do mundo, Catalina Estrada)

Durante uma atividade em aula hoje, na qual eu discutia Estética, e tentava chegar um pouco na questão dos gostos com os estudantes da sala, um aluno carinhoso me disse: "Professora qual seu ídolo na música?" "Ah! Fala pra gente!".

A verdade é que eu não tinha uma resposta só. Eu gosto de tannnnta coisa em música que sou capaz de começar o dia com Beethoven e Schubert, passar por Madredeus, Eddie Vedder, Norah Jones e terminar (não! com Michel Teló não! rs) com Sidney Magal ou Nirvana. Tudo a ver não?

Embora eu não goste de tudo gosto de ouvir música conforme meu estado de espírito. A mesma coisa para os interesses do dia a dia, sobre coisas que gosto de falar e escrever.

Então aqui vai de novo! mais uns papéis de parede simplesmente fantásticos, com muita personalidade! Todos eles criados por Catalina Estrada e, embora eu não vá poder comprá-los, vale a pena se inspirar na ousadia, nas cores e na alegria com a qual ela pensa em decoração.

(Um escritório para sair do bege, preto e branco, Catalina Estrada)

(Papel de parede incrível e repare no detalhe com crochê que você pode pedir pra sua avó ou mãe fazer e colocar nos puxadores, Catalina Estrada)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que