Pular para o conteúdo principal

A durona mãe Suécia


(Os quatro lados que cercam nossa casa, antes da tempestade forte de ontem que colocou 20 cm de neve no meu quintal, Malmö, janeiro de 2010)

Pessoar,

Esse post é para registrar que a Deslumbrette aqui não tem só dias de pura felicidade e que a Suécia não é bolinho para qualquer um não, como vocês já devem imaginar. Além disso, certa vez uma amiga me cobrou dizendo que eu tenho mania de frisar o que tem de bom aqui, mas acabo omitindo o lado duro e dou uma idéia meio Pollyanna demais da vida que levamos.

Verdade é que sou o tipo que detesta reclamar. Obviamente eu vivo reclamando de várias coisas, sou tão chata como qualquer outro, mas eu não gosto de oficializar minhas reclamações e de dar vazão para o que não é bom, entende? Além disso eu reclamo normalmente de coisas que eu sei que poderiam ser diferentes, mas não o são por falta de esforço meu ou de outrem.

Então, pulando para essa narrativa menos Deslumbrette depois do meu post "Halleluja"...

Mal cheguei , pus os pés na neve e estava cantarolando de felicidade quando uma virose, ou infecção alimentar, seja lá o que for, pegou a mim e ao Renato. Passamos uma noite inteirinha no banheiro, pondo tudo para fora, por todos os lados que tínhamos direito. Horrível! E nem sei se tem a ver com estar na Suécia ou não, parece que foi um queijo que compramos para o jantar ou talvez seja um tal vírus novo de gripe que disseram estar aparecendo por aqui.

Bom, resultado foi que o dia de ontem passamos imprestáveis, jogados pelo chão, nos revezando para alimentar e brincar um pouco com o Ângelo que ainda se recuperava de uma gripe pega aí no Brasil.

Isso tudo só para dizer que a Suécia é lindona, fantasticamente diferente e dá mesmo razões da gente não querer sair daqui de jeito nenhum. Por outro lado, é uma mãe dura. Sem avós, tios e tias para dar aquela mãozinha ou com todas as secretárias do lar que as amigas brasileiras contam a coisa pega num dia assim.

Lembro-me bem de uma vez, quando Ângelo contava com uns quatro meses e tinha cólicas terríveis todos os dias. Eu com ele, balançando pra lá e para cá, com compressas e tudo o mais e sozinha, já que Renato estava na China a trabalho. No skype meu cumpadi Ênio me manda um recado perguntando as novas e conto que estava com o tal probleminha. Ele me diz então, todo inocente, sem noção do que eu vivia por aqui:

- Sô leva ele num pediatra ou no pronto socorro...

E eu desconversei e tal. A situação era: 2 graus negativos no termômetro, neve e ventania por todo canto. Sem telefone de pediatra, porque a gente não tem um pediatra, como no Brasil. Ninguém telefona para o médico fora do horário. As farmácias funcionam até, no máximo dez da noite, sendo que a maior parte fecha as seis da tarde. A enfermeira que cuidava do Ângelo também não dava telefone fora do trabalho e qualquer urgência eu precisava primeiro ligar num número 1177 (e, detalhe, falar em sueco que eu não sabia ou em inglês no qual eu me sentia insegura) para ter certeza que era caso de ir mesmo a um pronto socorro. Isso porque a idéia, sobretudo no inverno, é não expor uma criança pequena a outras doenças e vírus se ela não precisar. Isso tudo sem contar que o carro estava ali fora na calçada, todo coberto de gelo branco, porque no centro da cidade onde morávamos não havia garagens para carros por ser tudo muito antigo.

Bom e eu sabia que a cólica era aquilo e não mudaria até a adaptação dele ao mundo passar.

Então tal como naquele dia, ontem a neve e a ventania corriam soltas aqui. De manhã -9, durante o dia melhorzinho. A paisagem em frente a minha casa continua estupenda! De cair o queixo. Não paro de olhar e admirar. É tudo lindo, lindo, lindo!

Linda só não está a situação da minha casa com todas as malas abertas e tudo jogado para lá e para cá aguardando o início de toda a arrumação..

Devo lembrar entretanto que ser filho da Suécia significa cuidar de si sozinho, ser forte e aguentar o vento e a tempestade, aguardar com calma a chegada do tempo bom e da primavera que já se anuncia através das revistas de moda que chegaram ao meu correio.

Hoje a tempestade lá fora é ainda mais forte que daquela noite de 2007, mas se precisar consigo falar bem inglês e me viro no sueco. Sei onde tudo fica e quais os "prontos socorros" onde posso ir direto sem ter que ligar para alguém. Aprendi a planejar tudo, inclusive o que não é muito planejável. A gente aprende vivendo e aprende sofrendo mesmo. E cresce...

Ainda que eu queira deixar registrado esses "causos" não tão super animadores, meu lado Deslumbrette não me deixa concluir que a gente deve mesmo é "enjoyar" o máximo que se pode cada momento, como pelo menos eu fiz na terça feira, porque nada melhor do que um dia após o outro, já que se há dias bem difíceis depois da tempestade vocês já sabem...

Comentários

Beth/Lilás disse…
Queridíssima,
Seu relato é de uma pessoa que aprendeu a viver e conviver com as belezas e dificuldades deste lindo país.
Sinto-a cada vez mais forte, mais segura, enfrentando as adversidades, mas reconhecendo, principalmente, as graças divinas recebidas antes de mais nada, afinal não é todo mundo que tem este privilégio de morar numa terra assim tão bonita e cheia de recursos. E pra quem acha que isso daí é difícil só por causa do frio e da neve, deve lembrar-se do inferno que é um Haiti, quente, tropical e agora, destruído.
Muita força, saúde e lindos dias é o que lhe desejo! Melhoras procês!
bjs cariocas (ainda quentes)
Carolina disse…
Não é fácil ficar doente sem ter família e amigos por perto. Quando cheguei aqui na Noruega peguei catapora e foi horrível, me deu uma saudade enorme da minha mãe.
Isso é verdade, por essas bandas a gente tem que aprender a se virar de uma forma diferente do que estamos acostumados no Brasil.
Melhoras.
Abraço
Mari disse…
Eu adoro o eu blog por várias coisas, mas talvez a principal seja por identificação. Todo mundo me chama de pollyanna e, agora no Canadá, meu marido diz que sou a Marilena, Stone Heart. Mas eu tambem acho que não adianta ficar reclamando do que não tem remedio e temos que aproveitar ao máximo o dia de hj porque não sabemos o que vai acontecer amanhã. È claro que muitas vezes é dificil, que sem familia é complicado e sem as secretárias do lar é super cansativo, mas se for pra ficar reclamando, acho melhor voltar para o Brasil onde certamente teremos outras coisas para reclamar tambem. Então eu me divirto, aprecio cada momento, cada situação.
Agora deveria ser proibido pai e mãe ficarem doentes ao mesmo tempo, né? Imagino como vcs estejam cansados. Espero que já tenham melhorado.

Um beijo,
Marilena
Beth/Lilás disse…
Sonildes, meu bem!
Tenho dois filmes lindos, franceses, e que vocês vão adorar ver por aí nestas noites de vento e frio:

- A Culpa é de Fidel
- Conversas com meu Jardineiro

Outro também fantástico e imperdível, filme japonês, ganhou o Oscar de melhor filme estrangeiro de 2009:

- A Partida

Imperdíveis, mas não sei qual o título deles por aí, tem que procurar, ok.
beijocas e melhoras
Anônimo disse…
Este comentário foi removido pelo autor.

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que