Pular para o conteúdo principal

Hallelujah!


(Three Trees, foto de Rutger Blom)


Deixamos o Brasil no domingo depois de mais de seis semanas de calor acima de trinta e cinco todos os dias. Depois de beijos e abraços gostosos. Depois de amor regado a comida gostosa. Depois de ficar mergulhado no mar morno do litoral paulista estamos de volta.

Do alto do avião eu vi que nossa casa estava mergulhada numa brancura só. Tudo branquinho e apenas umas casinhas que se destacavam com alguma cor. Na grande ponte, de cima do mar, deu para ver o amarelo e vermelho do pôr do sol, entre toda a neve que sumia ao longe.

São quase quarenta graus de diferença no corpo, mas a paisagem em frente a minha casa está tão tão maravilhosa que eu só consigo sorrir com os olhos.



("Rutsborgs Road", foto de Rutger Blom)

Já corri com Ângelo na neve. Ele já deslizou gritando no trenó e relembrou seus passeios de bike. Ainda que pareça inacreditável a temperatura está de-li-ci-o-sa. É verdade! Sem vento, com sol, céu azul e roupas apropriadas não se sente o frio. Brincamos e agora ele está explorando os brinquedos antigos deixados me perguntando a todo tempo "Mamãe quem me deu esse binquedo?". Isso porque ele recebeu tantos presentes dos avós, tios, tias, primos e primas e amigos que agora quer entender quem lhe deu os que ele já tinha. É como se ele enfim tivesse compreendido que também foram dados com o mesmo amor que recebeu no Brasil.

Voltar para casa depois de tanto vivido aí provavelmente não serão só flores. O frio deixa tudo mais difícil e provavelmente quando a novidade da neve passar a saudade do verão brasileiro aumentará. O que digo por enquanto é que estou feliz. Muito feliz. Feliz apesar de saber que preciso conviver com a distância.

Vi rapidamente que muito aconteceu na vida de vocês também. Vou começar a visitá-los com a calma que merecem e vou dando mais notícias.

Esqueci o descarregador de minha câmera fotográfica no Brasil e não consigo postar nenhuma foto minha agora. Aqui vai uma de um holandês, Blom, que tem 32 anos, vive por estas bandas e tal como eu parece que vive louco pela paisagem daqui.

É assim que está a frente, os lados todos daqui da minha janela onde escrevo. Assim como "rezei" nadando no mar transparente e quente brasileiro agora eu sinto o mesmo olhando para tudo isso... Estou aqui ouvindo e cantando com Jeff Buckey, seu Hallelujah... porque da comparação entre esses dois mundos e as duas vidas que tive em algumas semanas eu só consigo ter certeza de que é preciso saber agradecer tanta vida quando se tem porque o resto é nada...

Bom dia e um beijo para todos vocês! Já estava com muitas saudades!

Comentários

Xu disse…
WELCOME BACK!!!!
Esta deve ser a 3a ou 4a vez que falo isso pra vc. Mas a verdade é que estou feliz de estar de volta, e tb saber que estamos todos de volta.
Preciso dizer que vc foi muuuuuito abencoada com o dia de hoje. Sim, vc merecia sim o dia lindo q tá lá fora como presente de boas-vindas.
Ah, por acaso tb preciso concordar com o que vc disse sobre a temperatura. Está uma delícia mesmo. E olha q eu fui pra rua hoje cedo (antes das 8h) pra jogar o lixo e... ainda q os -8 graus tavam comendo solto no termômetro, tava uma delíca... o sol nascendo, sem vento... tudo de bom! Espero que fique assim pros próximos dias. Ainda mais q pretendo patinar no lago de novo.

A propósito, prepare-se para neve! Vi hoje na previsão do tempo q vai nevar 18cm. Tá tá tá... duvido que seja tudo isso... mas q a neve vem, isso lá vem.

Bjos
Rita disse…
ÊÊÊÊÊÊ!! Você voltou!! Quer dizer... você foi embora!! Humm.. que confusão... :-)

Bom que você voltou ao blog. Pronto, é isso.

Beijocas!
Rita
Márcia disse…
Interessante esse sentimento de pertencer a todos os lugares e pertecer a lugar nenhum, né? É bom estar lá, mas como é gostoso voltar para o nosso cantinho, seja ele aonde for. Acho que todos nós que ousamos deixar nossos ninho compartilhamos esse tipo de sentimento. Bem-vinda, Sônia!
Lúcia Soares disse…
Oi, Somnia Sônia! Estava com saudade dos seus posts! Que bom que voltou, embora que pena que deixou esse nosso "país tropical, abençoado por Deus", né?
Tudo bem, depois tem mais!
Não me esqueci da foto que me trás lembranças, só não a encontrei ainda! rsrsrrs
Da neve, do frio, só posso lhe dizer, mais uma vez, que só aprecio...bem à distância.Não consigo me imaginar numa paisagem dessas, e nem pensar que não se sinta frio na rua! rsrsrrs
Bj, bem vinda, e conta tudo! Com fotos!
Beth/Lilás disse…
Té quinfim!
Férias grandes essas suas e uma pena mesmo que este nosso país seja tão continental e por isso não possamos nos ver quando vcs vêm pra cá.

A vida de quem mora por aí e pode passar férias num verão tropical é muito boa, afinal pode-se ver as duas estações ao mesmo tempo e isso é impagável, simplesmente, fantástico!

Sôdades, meu bem, sôdades!

beijos cariocas ainda quentes
Somnia Carvalho disse…
Molé,

nossa... seu recado me deixou segurando lágrima... rs...

cheguei, mas sem voces a coisa fica meio vazia! hoje dona Liana me visitou e espero que oceis tambem apareçam logo! E depois vemos angelinha e companhia...

então, tava tudo tão lindo e delicioso hoje, foi mesmo um presente!

beijos enormes!

ah... sobre o outro recado de baixo, ainda voltarei aquele post para responder as outras pessoas: mas acho que tem a ver com o jeito que cada uma de nos e mesmo. Essa minha visão meio sociologica demais das coisas cansa ate a mim mesma, mas e como se ela fosse inevitavel, entende?
Somnia Carvalho disse…
Hej Rita! que bom te ver por aqui mulher!!!

to chegando com calma e ainda nao visitei ninguem, mas logo te visito ai na sua casa de todos!
Somnia Carvalho disse…
Marcinha,

verdade... e voce me fez pensar o seguinte: na festa do natal que fiz em casa, aqui na suecia, eu cai no choro imaginando que eu nunca teria isso de novo...

o que me liga a essas pessoas, alem das afinidades claro, e o fato de que eu sei que elas me entendem perfeitamente... o que muitos amigos queridos do brasil não conseguem, por nao ter ainda saido e vivido esse distanciamento, a perda e o sentir-se despertencido...

lindo o que vc escreveu!
Somnia Carvalho disse…
Lucinha danada!

a gente ja entrou em 2010 e agora vc tem que me lançar essa foto ai senão eu vou passar um ano curiosa!

então, aqui tudo otimo! mas eu acho sinceramente que ate voce adoraria mesmo o dia de hoje!

e que vc ainda nao entrou nas roupitias quentinhas que tenho aqui minha querida!
Somnia Carvalho disse…
Lilas, meu benhe!!!

pensei tanto em voce! e nao tinha internetica para mandar recado!

eu realmente adoraria ter ido ao rio e te encontrar, imaginou?

mas parece que por enquanto ta mais facil a gente se encontrar por aqui... E so vc criar coragem e vir!

ou a gente se encontra todo dia naquele barzinho, lembra? onde tomamos biritas de vez em quando e cafe gostoso! pois e! te espero la!
Daniela Pedrinha disse…
Lindas imagens, linda música, dá uma felicidade saber que algumas pessoas tem essa sensibilidade sobre a vida.. e que curtiram para valer esses momentos especiais.

Bom te ver no blog outra vez. Grande beijo Somnia.

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que