Pular para o conteúdo principal

Extra!!! Novo Concurso de textos do Borboleta: Uma casamento, mil lembranças


("Pra sonhar", Marcelo Jeneci)

"De tanto não parar a gente chegou lá!..."

Eu tenho pego algumas caronas com meu amigo Luís Damasceno, professor de Literatura do Colégio e ideias ótimas é o que não me falta quando estou na prosa com o Luís. Imagina aquele professor de Literatura apaixonado pela poesia, pelas histórias, pelo teatro, romântico como os românticos eram nos séculos passados. Incorrigível!

Bom, de nossa conversa de ontem surgiu minha ideia para o próximo concurso do Borboleta (obrigada Lu!). Na verdade, agora, quando, coloquei a música para ouvir de novo.

Ouvindo esta canção tão deliciosa e vendo as imagens do clipe eu lembrei do meu casamento, dos que já fui e de como, em toda minha vida e ida a centenas de casamento, eu só não chorei uma única vez. Quer dizer gente! Vamu combinar que casamento é um negócio de trazer mil lembranças e muito mais!

A música do Jeneci "Pra sonhar" e o vídeo oficial da música, baseada no programa "Chuva de arroz" do GNT, serão nosso pano de fundo. Nossa inspiração... Eu sempre a achei tão linda, tom fofa, mas só ontem fiquei sabendo pelo Luís quem a cantava. Tô feliz da vida com esta nova descoberta!

Então, gente que se emociona com casamento igual a mim, dou início hoje nosso 3o. Concurso de Textos. E o tema dessa vez será "Um casamento, mil lembranças".

Tenho certeza de que tal qual como "Uma foto, mil lembranças" e "Uma música, mil lembranças"

Na verdade, eu havia anunciado outro foco há um tempo atrás, mas como nem eu mesma consegui escrever meu texto achei que não fosse, de fato, algo tão inspirador. Ou era, mas deixei passar tempo demais! Volto a ele num outro momento.

Você poderá fazer um texto sobre seu casamento ou o casamento de alguém. Pode falar de um casamento em que esteve presente. O importante é que este casamento lhe traga mil lembranças!

Pode ser um casamento tradicional ou completamente inusitado. Pode ser um casamento na Igreja ou num local totalmente inusitado! Isso não importa!

Se quiser, ainda, escrever lembranças imaginárias de um casamento no qual você nem mesmo esteve presente, mas sobre o qual você ouviu histórias, criou fantasias, se imaginou lá, também tá valendo!

Eu, por exemplo, sempre que olho ÚNICA foto de casamento dos meus pais eu tento imaginar como foi aquele dia... Na verdade faço isso desde criança. Eu sei! Eu sou lelé! Você não! rs...

Se tiver uma foto, ou vídeo editado (de no máximo 2 minutos) ou música que queira fazer acompanhar sua história você deve enviá-los junto do texto. Se for música do youtube é só me mandar o link.

Para participar você precisa escrever um texto em que narre os principais fatos que cercaram este casamento o qual lhe traz mil lembranças. Para que ele seja atraente para quem lê você não deve descrever o casamento, mas deixar as lembranças fluírem lenta e calmamente no papel. Deixe que a gente veja as cores, as pessoas, ouça a música, sinta os cheiros e os sentimentos envolvendo você e todos no local.

Vocês topam?
Diz que sim! Diz que sim!!!

Antes, porém, você precisa ouvir a música do Jeneci (a letra está logo abaixo do post) e ver este vídeo aí! Eu duvido que ideias, lembranças não faltarão! Você vai se sentir assim como eu tô! Cheinha e cheinho de amor pra escrever e partilhar!

Início do concurso: quinta-feira, dia 10 de abril de 2013.
Término do concurso: sexta-feira, dia 10 de maio 10 de Junho de 2013, até as 23horas e 59 minutos.

Premiação: uma pintura aquarela do projeto "Fugacidade" da Magnânima artista que sempre nos premia neste concurso, Somnia Carvalho (e quem até que tem agradado a clientela).

Como participar?: enviar seu texto, até a data acima, para: somnia.carvalho@gmail.com.

Tô esperando sua história para sonhar com você!!!

E ótima quinta-feira pra todo mundo!

...


Pra Sonhar

"Quando te vi passar fiquei paralisado
Tremi até o chão como um terremoto no Japão
Um vento, um tufão
Uma batedeira sem botão
Foi assim viu
Me vi na sua mão
Perdi a hora de voltar para o trabalho
Voltei pra casa e disse adeus pra tudo que eu conquistei
Mil coisas eu deixei
Só pra te falar
Largo tudo
Se a gente se casar domingo
Na praia, no sol, no mar
Ou num navio a navegar
Num avião a decolar
Indo sem data pra voltar
Toda de branco no altar
Quem vai sorrir?
Quem vai chorar?
Ave maria, sei que há
Uma história pra sonhar
Pra sonhar
O que era sonho se tornou realidade
De pouco em pouco a gente foi erguendo o nosso próprio trem,
Nossa Jerusalém,
Nosso mundo, nosso carrossel
Vai e vem vai
E não para nunca mais
De tanto não parar a gente chegou lá
Do outro lado da montanha onde tudo começou
Quando sua voz falou:
Pra onde você quiser eu vou
Largo tudo
Se a gente se casar domingo
Na praia, no sol, no mar
Ou num navio a navegar
Num avião a decolar
Indo sem data pra voltar
Toda de branco no altar
Quem vai sorrir?
Quem vai chorar?
Ave maria, sei que há
Uma história pra contar
Domingo
Na praia, no sol, no mar
Ou num navio a navegar
Num avião a decolar
Indo sem data pra voltar
Toda de branco no altar
Quem vai sorrir?
Quem vai chorar?
Ave maria, sei que há
Uma história pra contar".
(Marcelo Jeneci)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que