02 junho 2011

Na Suécia também não tem... vizinha andando de salto no andar de cima

(Na rua todo tamanho e estilo vale, sapato de verão da marca sueca H&M)

Meo!

Se tem uma coisa na vida capaz de me tirar literalmente o sono e a paciência é vizinha andando de salto alto na minha cabeça a noite e de madrugada.

Acabei de pensar nisso porque vi um recado do novo síndico para as moradoras que não descem do salto nem às altas horas da noite e porque estava lá acabadésima, louca para fazer a bebê Marina voltar a dormir para que eu também pudesse descansar e o som estridente do salto da provavelmente sempre elegante vizinha ressonava em nossos ouvidos.

Lembrei-me então do silêncio impagável de Malmö city. Of course! não tem como comparar lé com cré: São Paulo é por si só barulhenta dia e noite, 365 dias do ano, mas não se pode negar o quanto o hábito de não usar sapatos dentro de casa ajudava nesta questão.

Nunca ouvi barulhos de sapatos no andar de cima e isso, ah! isso era uma benção sueca!

Falei há tempos aqui sobre este costume europeu e de como os suecos respeitam a regra 100% do tempo.

As sapateiras ficam na entrada da casa, onde donos e visitas deixam suas poeiras. Nas casas e em vários outros ambientes também. Um exemplo são as academias. Como lembrara minha amiga Xu na outra ocasião, precisamos trocar de sapatos nas academias de ginásticas. Todo mundo deve carregar seu tênis limpinho, novinho, separado apenas para esta razão e colocá-lo no vestiário.

Em grandes empresas o sapato fica mantido, mas em hospitais, clínicas, laboratórios o pessoal todo usa umas sapatilhas de borracha também separadas só para uso interno e o que não é raro de se ver, meiões pretos por baixo delas. Hahai hihi...

Todos esses cuidados têm a ver com a necessidade de não entrar com chuva, neve, lama dentro das casas e lugares e também com manter mais facilmente o ambiente do lar limpinho e acolhedor. Então tem a ver ainda com o fato de quem vai dançar com rodo na mão no fim de semana na limpeza quase sempre são os próprios donos da casa.

Disso tudo eu havia falado naquele antigo post, mas eu havia me esquecido desta máxima contida na cultura e na ética sueca: "eu não devo, não posso, portanto não vou sapatear na cabeça dos meus vizinhos com meu salto agulha lindo, minhas botas sete léguas, galochas ou o diabo a quatro"! (Vejam como eu estou visivelmente irritada! :")

A carta enviada pela nova síndica de meu condomínio revela os problemas morais enfrentados todos os dias em convivência com brasileiros gersons: respeite a vaga do vizinho, a lei do silêncio, não use saltos em casa, não deixe animais sujarem elevadores etc etc etc.

(... mas dentro de casa, nunca, jamais, em tempo algum! meus pés e os de minhas queridas amigas em noite do pijama da mulherada, Malmö, 2010)


Aqui em casa adotamos a antiga sapateira sueca no nosso hall de entrada. Virou mania, não conseguimos usar sapato em casa, mas deixamos as visitas a vontade. Ainda assim, se (não for uma ocasião especial) e uma visita estiver de salto tarde da noite eu peço gentilmente para trocar por algum chinelo meu.

Há pouco eu comentava no blog da super Lola algo que tinha mais ou menos a ver com isso: a gente vive louco para conseguir parecer e agir como gente de primeiro mundo, mas em muitos casos tem a visão límitrofe. Pensa no próprio umbigo quase o tempo todo. E isso, mal sabemos nós, não tem nada de moderno. Nada de chique. Nada de civilizado. É mais antigo do que as sapatilhas de couro egípcias de mil anos antes de Cristo.

...



ps 1: Agora o povo quer saber: Qual o costume adotado em sua casa ou apartamento e o que você pensa sobre os "chatos e pouco elegantes" suecos e suecas?
ps2: Até o fechamento desta edição a mulher "elegante" do andar de cima continua indo de um cômodo para o outro e do outro para o um com o mesmo salto do início desta matéria.

11 comentários:

Lúcia Soares disse...

Sônia, moro em casa, então não tenho esse desconforto. Mas agora estou morando no ap da filha, enquanto minha casa reforma. Vai daí que os vizinhos de cima até que não andam de salto, mas deixam cair muita coisa no chão (tem criança) e o banho dele (ou dela) é depois das 23h30, quando já estou na cama. E a descarga dela é dentro do meu banheiro! rsrsr E a água que escoa do ralo da pia dela, parece que vem pra minha e acaba de descer...rsrrs Como é provisória minha estada, tenho me calado. Mas minha filha já anda implicada e ela não mede palavras pra dizer o que precisa. Vamos ver no que vai dar!
Moramos no primeiro andar. Se morasse em andar intermediário, nunca que ficaria de salto alto em casa. Desrespeito total!
Beijo!

Luciana disse...

Aqui na Noruega é como na Suécia, então sapatos na entrada. Em algumas festas as pessoas mantém o sapato, uns bem barulhentos e de salto o que acho indelicado porque além de fazer barulho pode estragar o piso da casa. Se vou a uma festa onde vou manter o sapato, vou com alguma sapatilha, assim näo corro o risco de riscar o piso do outro com meu salto.
No Brasil em casa também não usava sapato, tirávamos e trocávamos por sandálias de casa, sem barulho, sempre foi assim.

Eu já acho que alguns brasileiros quer a organizacäo que alguns países de primeiro mundo tem, mas näo querem mudar o comportamento deles próprios pras coisas melhorarem nem que seja dentro de casa e na rua onde moram. Reclamam das ruas sujas, mas levam o totó pra fazer cocô e não limpa, e acha que as ruas da Suécia, por exemplo, são limpinhas por milagre. Reclamam de gritaria e barulho, que brasileiro fala alto e tal, mas é o primeiro a gritar dentro de casa incomodando o vizinho. bom, nada cai do céu, tem que mudar o comportamento para início de conversa.

Beijo

Luciana disse...

Ih, vi que meu blog antigo está na sua lista e voltei pra avisar que esse aí eu vou fechar, abri outro, o endereco tá no primeiro post do velho.

Beijo

Somnia Carvalho disse...

Nossa! primeiro um comentario nada a ver com este post: eu coloquei o recurso de aparecer sugestoes de posts abaixo de cada um e vi um sobre os leitores queridos que sempre deixavam recados... era sobre a Eveline! por onde voce anda amiga? sumiu! esta bem?

e tao curioso como atraves da net a gente entra e sai na vida dos outros e vice versa... saudades!

http://borboletapequeninanasuecia.blogspot.com/2009/09/leitor-mostre-sua-cara.html

Somnia Carvalho disse...

Oi LU!!!

meo! entao! voce tocou num ponto que eu adoro: a questao da mudanca interior e radical de comportamento. Quando penso nisso, quando vejo o que a gente aqui e capaz de fazer eu meio que desanimo total, dai vejo gente legal como voces! e me animo de novo...

mudar requer coragem, requer sair da tao falada zona de conforto e deixar o conforto, ainda que seja minimo e o que quase ninguem quer aqui no brasil...

gosto de brincar com estas diferencinhas nestes posts, como nao andar de salto em casa, porque elas mostram so a ponta do iceberg que nos separa de ainda agirmos como todo um povo civilizado.

Entao!!! o blog novo e o pensamentos desatados nao e?

vou ver como esta na lista...

http://graceolsson.com/blog disse...

Somnia, nós moramos um tempo no Brasil e ai, comoa qui, todo mundo sabia que nao toleraríamos sapatos passeando dentro de casa..Acho falta de higiene..vc vem da rua, entra, deixa poeria, sujeira...
dias felizes para ti e os BARN

Mari disse...

Aqui no canada as pessoas também não usam sapato dentro de casa e eu amei a ideia!!! Tudo bem que no verão as crianças usam as bandidas havaianas e o pé fica sujo do mesmo jeito, mas de uma maneira geral a casa fica mais limpa e esta questão do barulho é muito importante por aqui porque muita gente aluga o basement e o barulho é grande mesmo sem sapatos.
Lendo a sua historia, me lembrei do meu cunhado reclamando da vizinha de cima do apê deles: além do salto alto o dia inteiro, a moça ainda grita quando o namorado passa a noite lá. Segundo meu cunhado, que não é exagerado, a barulheira entra noite adentro. Ele reclamava que quando eles pensavam que enfim conseguiriam dormir, começava tudo de novo!!!!

Françoise disse...

Sonildes,
saudades de conversar com você!!!!

Pois é, depois que voltamos, não conseguimos mais entrar de sapatos em casa. As pessoas chegam e acabam fazendo o mesmo por encontrar os nossos na entrada do apartamento, rs....acho estranho ter que entrar na casa de outros com os meus sapatos, parece que levo sujeira, fico incomodada. Posso imaginar durante a noite, este barulho de crec, crec enquanto tento dormir. Uma pena, acho que de verdade nem com saltos me acostumo mais, virei mais jacú do mato. Ah, pelo menos não incomodo o meu próximo!!!!!

Gostei muito da nova cara do seu blog. Um abraço apertado,
Fran

Camila Hareide disse...

Ó, Sonildes, é assim: se sua vizinha tivesse carpete em casa, talvez o barulho não incomodasse tanto. Mas se ela anda de saltão em casa e ouve seu próprio toctoc, devia se tocar! A contramão da conversa: aqui na Noreuga também náo usam sapatos em casa, mas nossos vizinhos de cima pisam táo duro no cháo que treme minha mesinha da sala, eu vejo a água balançando no copo. Eu sei como vc se sente, porque é um pesadelo viver com barulho acima das nossas cabeças, haja paciência!

beijão

mundodamari disse...

Somnia, é a primeira vez que visito seu blog e adorei!! Tbm moro na Suécia, desde out/09 e adoro o costume de não entrar em casa com sapatos; facilita tanto a vida!!! nada de sujeira melequenta de neve ou lama...No Brasil, eu tbm moro em ap. e, a vizinha de cima vivia andando de salto alto logo cedo, lá pelas 7 e pouco da manhã...ninguém merece isso...acho a maior falta de consideracão com os vizinhos. Toda vez q saia de salto retirava os sapatos logo na entrada...queria muito adotar esse costume qdo voltar ao Brasil, mas acho q não daria certo...as pessoas não entenderiam...o q acha?? beijos

Beth/Lilás disse...

Aqui no apartamento só usamos hawaianas e nunca entramos com o sapato da rua em casa, fica na varanda de trás sempre. O filhão que morava sozinho, neste retorno, custou, mas aprendeu a deixar o sapato na varanda.
Os vizinhos de cima são super tranquilos e, mesmo com um garotinho de 6 anos, nem parece que tem criança lá em cima. Ainda bem, pois se o barulho fosse grande, fatalmente eu teria que reclamar na reunião de condomínio. Não faço pros outros o que não gostaria que fizessem comigo, este é meu lema.
beijinhos cariocas