Pular para o conteúdo principal

Eu tenho uma história pra te contar ... e você não vai sossegar enquanto...

(Foi assim que eu me senti quando terminei as primeiras linhas...)

Gente muito querida, muito mesmo, que ainda visita esta blogueira desaparecida, enfiada na vida, cheia de ideias que quase não coloca em prática, de saudade que não mata e quem quase sempre vai sendo levada pela correnteza... até colocar a cabeça para fora de novo.

Pois então! Minha gente preciosa, Sonildes está de volta! E ela quer arrebentar em 2014. Pelo menos ela quer arrebentar o blog com uma nova história que tem para contar, um projeto o qual, finalmente, saiu da gaveta depois de 3 anos e meio.

A partir de hoje eu começo a contar para vocês a história de um grande amigo que fiz na Suécia. Sabe aquelas histórias que dão um belo livro, um excelente filme? Sabe aquelas pessoas cuja vida você começa a contar no meio de um jantar e quando vê está todo, mas todo mundo parado te ouvindo? Então, destas! Verdade!

Minha ideia ousada e metida a besta é a seguinte: eu escrevi o 1o. capítulo do livro (ou ao menos estou chamando assim por hora), fiz um teste drive com algumas pessoas que aprovaram. Este primeiro é curto, mas eu agora consigo ter a ideia do livro todinha na cabeça. As cenas, as falas, ai tudo! Tô quase pirando o cabeção porque quero poder pôr no papel logo!

Funcionará assim: eu vou publicar capítulo a capítulo deste livro até um momento em que ou eu consiga uma editora ou vocês decidem que o livro é bom e vão publicá-lo comiga! rs... Hoje em dia existem várias formas de se publicar um livro, mas eu e meu amigo a gente não quer só publicar! A gente quer que seja muito bom! E a gente quer ganhar dinheirinha! rs... Na verdade, meu querido amigo me disse que se a história dele puder se escrita e, um dia, se os filhos e, possíveis netos, puderem ler ele ficará feliz e realizado...

Pois! Pois! Acredito que se de fato eu conseguir escrever direitinho e vocês me ajudarem na empreitada a gente consegue! A história é baseada nesta história real. Um romance fictício sobre uma história real, é assim que se fala?

Durante as semanas que antecederam meu retorno ao Brasil eu passei horas e horas gravando a história deste meu amigo... eu devo confessar que não dormi muito bem naqueles dias só pensando e repensando tudo que ele me contava... e eu ri muito, muito! E chorei ... ai como eu chorei! assim como sei que vocês muitos de vocês também o farão.

O que eu vos peço caros senhores e senhoras que sempre apoiaram as minhas ideias mais mirabolantes?  Que vocês leiam...Sim! Uma escritora que se preze precisa de leitores! E que se desejarem, palpitem! E se gostarem, divulguem entre seus amigos do face, da vida real, da vida imaginária todas elas!

O que eu prometo? Não parar no meio... Não desistir, não deixar a história sem fim para que não aconteça o que já me aconteceu quando vi séries boas que não obtiveram patrocínio e pararam... Então! Eu tenho tudo aqui... cenas, como escrever, tudo! E minhas férias começam daqui uma semana, ou seja, a hora é perfeita!

Vocês topam? Eu garanto que pode ser bem divertido! Tô pensando em pôr em votação o título e outras coisas mais para o projeto ser meio em conjunto. Que vocês acham? É que eu sou das loucas que pensa melhor falando e papeando.

Antes de tudo quero me comprometer a divulgar ainda esta semana a tela que a Lu Brito (nossa querida participante) ganhou no concurso de textos do Borboleta "Um casamento, mil lembranças" e também a publicar a segunda parte do post sobre Sartre e a liberdade e! responder os comentários que vocês bacanas deixaram lá, ok?

Feito isso eu quero dizer que hoje, às 19 horas será o lançamento do livro aqui no Borboleta.

-Posso contar com vocês???

-"Pooooode!"

Legal gente! Vocês são incríveis!

Ah! peguem táxi para o lançamento porque champagne não pode faltar!!!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que