Pular para o conteúdo principal

Cap. I: “Anda logo, seu saco de ossos!”


Capítulo I

“Anda logo, seu saco de ossos!”

A altura do espaço que ficava entre a viga de madeira abaixo de seus pés e o chão vermelho de terra lá embaixo não passava com certeza de uns 5 metros. Não era isto que o preocupava. Aliás, isto havia deixado de ser um problema quando entendeu que pulando haveria um grande risco de apenas espatifar-se no chão, quebrar alguns ossos e provavelmente ser obrigado a trabalhar ferido. Sim, seria um risco  imenso caso insistisse no Plano A. Não. Ele não era tão estúpido assim, apesar de acharem isso. Não havia frequentado muito a escola, mas sentia de si mesmo certa perspicácia com os números. Não se sentia inteligente, mas julgava-se bastante esperto. E se tinha algo do qual se orgulhava era essa certa habilidade natural para o cálculo. Gastava seu tempo agora em constatar como, de fato, havia escolhido os fios perfeitos: o entrelaçamento, a fibra, o nó. Ele já a havia usado em tantas atividades na fazenda e ela, sim, lhe parecia suficiente para dar fim ao seu corpo de 25 quilos e 450 gramas. Isso sem contar os testes conseguidos nas últimas três semanas. Seu peso com certeza não estragaria seus planos. E pensar que havia preparado tudo sozinho, como havia pensado no celeiro, cada detalhe, isso lhe dava uma mistura de prazer, culpa e autopiedade, tudo ao mesmo tempo.

Sim, era verdade, estava bem abaixo do peso para um garoto de 10 anos, e ele sabia disso, principalmente se comparado aos seus irmãos. Era o mais velho. Mas o saco de ossos que era não chegava ao peso do mais novo. Saco de ossos... Esse praticamente havia sido o único nome pelo qual o velho Anders lhe chamara aqueles três anos e meio. Ao contrário do irmão caçula, a quem o pai fazia questão de chamar pelo nome e o “ö” pronunciado de forma tão sueca que até mesmo lhe dava náuseas.

- Byörn, sussurou. Sentiria falta dele. De alguém mais? Provavelmente não. Com certeza não! De ninguém mais! Sua voz zangada assustou duas pombas acima dele. Elas voaram em direções opostas, voltaram-se uma para a outra, bateram-se de frente, e, finalmente, alcançaram a saída no topo do celeiro, enquanto uma ou duas penas flutuaram próximas de seu rosto.

Apertou um pouco mais a corda em torno do pescoço e foi colocando os pés pouco a pouco para fora da viga. O sapato apertado incomodava, mas ele fazia questão de não parecer um qualquer. Ele não era um qualquer! Ainda que fosse tratado como. Ele não apareceria em shorts beges rasgados e camisas surradas. Ele não seria sepultado como um mendigo. Não, não, não. Ele tinha sobrenome também. E, apesar de tudo, se orgulhava de não ser o mesmo do peste, mas também querido, Byörn. Ele não era um Zé Ninguém, ele era alguém. Seu nome era Sven-son. Svenson!, pronunciou em voz alta, como se houvesse uma platéia a assisti-lo no palco.

Umas faíscas de terra e pedrinhas caíram no ar. Só o calcanhar restava na viga. Ajustou a gravata roubada da gaveta de Byörn e limpou cuidadosamente o terno marrom claro do irmão. Estava pronto. Ele era forte, todos veriam. Ele fazia diferença, todos notariam. Ele faria falta, ninguém mais poderia negar. 



Comentários

Ricardo Sousa disse…
Nossa teacher que capitulo mais profundo! Eu já gostei! Um menino de 10 anos, abaixo do peso, invisível aos olhos de pessoas cruciais em sua vida, o seu pai, que pelo o que entendi pensa em se suicidar, porém não quer ser enterrado como um qualquer! Quer ser visto como o menino Svenson, que usava uma roupa boa para ser enterrado! Impressionante! Sinceramente, fiquei muito curioso para ver o desdobramento dessa história! O QUE ACONTECERÁ COM O GAROTO? Ele não irá morrer, mas ele chega a se jogar? O que faz ele mudar de opinião? hahahah são muitas perguntas e respostas! Amei e eu com certeza irei acompanhar! Adorei! Curtam amigos!
Irene Cechetti Pinto disse…
Já deu pra estimular a nossa curiosidade ! Muito bom !!!
Beth/Lilás disse…
Sabia!!! Você ia mandar bem na estória e tô aqui acompanhando desde já. Gostei do início, fiquei curiosa pra saber o que o pobre 'saco de ossos' irá fazer desta sua vida complicada.
Manda brasa, Soninha, você tá com tudo, adorei!
beijos cariocas


Lúcia Soares disse…
Muito bom, este primeiro capítulo.
Claro que vou acompanhar a história e me apaixonar pelo menino.
Beijo e sucesso, Sonia, Somnia, Sonildes.
Somnia Carvalho disse…
Irene, tem que fazer um marketing do negócio pra virar! rs...

e aí! tá curiosa?
Somnia Carvalho disse…
Betona Lilás, pois é... eu diria que o drama da vida do nosso personagem está apenas na pontinha do iceberg...
te aguardo sempre por aqui!
Somnia Carvalho disse…
Lucinha, sabe que quando fui gravar eu falando eu me apresentei como sonia, somnia, sonildes e lembrei de vc! rs... mas daí como eu tava muito caipira falando eu cortei qualquer apresentacao e passei direto pro texto... ai que verguenza!
Unknown disse…
Estou curiosa... bjs
Unknown disse…
Amiga querida! Orgulho e emoçao são os sentimentos aflorados depois de ler e reler. Ainda mais por mim por conhecer parte desse iceberg.
Parabens pela coragem!
A gente acreditou que a historia daria um livro!
Puss och kram Liana
Unknown disse…
Amiga querida! Orgulho e emoçao são os sentimentos aflorados depois de ler e reler. Ainda mais por mim por conhecer parte desse iceberg.
Parabens pela coragem!
A gente acreditou que a historia daria um livro!
Puss och kram Liana
Dani M. disse…
Adorei! Aguardo próximos capítulos.
E este ano, na escolar, chegaram muitas famílias brasileiras.
Vou divulger.
Beijos, Dani
Anônimo disse…
Por favor continue a estória, eu a amei e quero saber mais sobre esse menino e se ele realmente morre ou não. :)

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que