20 novembro 2012

Dia da Consciência Negra: pra quê mesmo?

("Fugacidade n. 11: modelo em lenço vermelho", Somnia Carvalho, acervo: Adriana da Mata)

Quando eu comecei a pintar minha série "Fugacidade", um trabalho misto com fotos de modelos de alta costura eu me deparei com um fato: a maioria esmagadora das modelos desta área eram brancas. Muito brancas: brancas de cabelos loiros ou brancas de cabelo preto.

Eu queria pintar uma enorme variedade de mulheres lindas e continuar o projeto sobre como a juventude, a beleza assim como a moda são tão fugazes, mas eu só tinha modelos brancas lindas para trabalhar.

As três Fugacidades Negras que pintei eu tive que pesquisar algumas horas a mais do que havia pesquisado para as anteriores. E enquanto eu fazia isso eu me lembrava de minhas "análises neuróticas" como nosso preconceito é velado. Uma separação invisível que é feita todos os dias no mundo todo entre brancos e negros. Eu fiquei, pra ser sincera, meio horrorizada com minha constatação e desde então eu venho buscando uma oportunidade para dizer isso.

Obviamente não faltarão defensores de uma causa contrária a esta! Irão me dizer como hoje nós temos pessoas não brancas em todos os cargos importantes do mundo, vide Barack Obama, o primeiro negro a ser eleito presidente nos Estados Unidos, ou exemplos no Brasil em todas as esferas sociais.

Eu concordo inteiramente! Não sou louca para não admitir que o preconceito tenha perdido espaço entre milhares de pessoas nas últimas décadas. Apesar disso, eu devo também admitir que fico envergonhada quando tomo o ônibus que vem para meu bairro, mas que tem como ponto final a periferia da cidade. As mulheres negras, mulatas, mestiças vem até os ditos bairros privilegiados para serem empregadas, babás, cozinheiras, balconistas etc. Ao final do dia elas seguem para suas casas humildes e suas famílias morenas para bem longe de onde vivemos.

E se o bairro não é distante da cidade ele com certeza é uma ilha. Isolados por uma ou duas quadras, em favelas ou "comunidades" estão os pobres do Brasil. E os pobres, já cantava Caetano, são "quase todos pretos ou quase pretos".

Então o que temos, alguém poderia me dizer, é apenas um resultado de anos de escravidão e diferença e hoje nós tentamos consertar os erros dos preconceituosos do passado.

Sim, creio que muitos estejam a fazer isso, mas me parece que se estamos, nós fazemos isso muito mal.

Nós fazemos como quem dá migalhas aos negros para compensar o ciclo vicioso de pobreza e desigualdade de oportunidades as quais eles e as gerações seguintes deles estão fadadas a herdar.

Nós sabemos que ter mulheres negras lindas na novela das 8 não significa na verdade porcaria nenhuma, mas a gente finge que sim.

Nós sabemos que ter cotas para negros pode tentar abrir uma brecha de possibilidade na vida de famílias de negros inteiras no futuro, mas a gente prefere olhar para o próprio umbigo e se sentir insjutiçado. Afinal não fomos nós que escravizamos as famílias deles!

Nós sabemos que ter um Natal com bonequinhas de cera todas brancas enfeitando os shoppings center ou modelos brancas nas vitrines, ou revistas com brancas na capa é uma prova explícita de como nós alguém perfeito pra nós necessariamente precise ser branco, mas a gente finge que não vê e aceita negros e negras nas capas de revistas para negros e negras. Filmes de romance com negros e negras para negros e negras. E nós aproveitamos para desculpar tudo isso usando de algumas frases de senso comum muito boas porque convencem rapidamente quem, como nós, é preconceituoso igual: "os negros também são preconeituosos"!.

Sim! E preconceituoso é todo ser humano!

Ainda assim admitir que nós sejamos egoístas por natureza, ensimesmados por natureza, buscando o próprio prazer por natureza não quer dizer que nós devamos aceitar que esta natureza que nos destrói prevaleça.

Ter um "Dia da Consciência Negra" de fato não vai significar muito se nós tratamos a história do povo negro no país, com Zumbi dos Palmares, por exemplo, como algo tão pouco importante que não devamos parar e pensar sobre o assunto.

É por isso que eu adorei a charge veiculada no Facebook nos últimos dias sobre um desentendimento entre o Batman e o Robin, lerdinho. Quando este diz que também quer ter um Dia da Consciência Branca, Robin lhe dá um tapa na cara, um "acorda, palhaço, para o que você está pedindo" e diz: "Ser escravizado você não quer não é?"

Para quem quiser ver um chocante e excelente documentário sobre como os brancos se sentem quando colocados na pele de negros veja "Blue eyed". Nele, uma professora branca, uma mulher real, faz experimentos com seus alunos brancos e os separa apenas porque eles têm olhos azuis. Ela tenta fazer com que eles se sintam como é sentir preconceito apenas por algo que você tem e não tem domínio algum sobre ele.

Aproveito para dizer a todas minhas amigas e amigos negros ou a você que passa hoje por aqui e não é branco que eu admiro sua força diária para viver nesta novela que é o Brasil. Por sobreviver ao preconceito diário que lhe tira chances de emprego, que lhe priva de fazer uma faculdade, que lhe faz chorar ao ver seus filhos serem maltratados na escola apenas por terem uma cor diferente. Eu admiro vocês e neste dia receba de mim um enorme abraço!!!